Intel pode ter desistido de investir em processadores para smartphones atualmente, mas ainda vem estudando novas formas de oferecer produtos altamente conectados na era da ‘Internet das Coisas’. O novo passo da empresa é trazer um computador de bolso que pode ser levado em sua carteira, o Compute Card.

O dispositivo conta com CPU, GPU, RAM e conectividade sem fio em um corpo compacto com apenas 94,5 mm de altura, 55 mm de largura e meros 5 mm de espessura, sendo menor do que o seu smartphone. Ele não tem a missão de substituir o seu PC convencional, mas tem como princípio gerenciar os dados de todos os equipamentos inteligentes de sua casa.

Normalmente levamos vários anos para trocar de TV, e por mais que você possua uma TV com recursos inteligentes, o hardware da mesma acabará ficando defasado antes que você tenha interesse em trocar por uma nova. Com o Compute Card, o dispositivo da Intel seria o responsável por gerenciar estes recursos inteligentes de forma independente.

Intel não chegou a dar detalhes sobre o hardware do Compute Card, onde apenas informou que será possível incluir processadores de até 6W de TPD, o que abrange os recentes modelos da linha Core M e também Core Y. Além disso, o cartão conta com uma porta USB-C modificada que permite acessar diretamente componentes via barramento USB, PCIe, HDMI e DisplayPort.

Este novo produto virá para substituir os Compute Sticks da empresa, computadores de bolso em formato de pendrive. O modelo mais recente foi lançado em abril de 2016, mas a Intel espera que esse tipo de produto suma do catálogo da empresa antes de 2018.

A Intel ainda não divulgou aspectos de software do Compute Card, mas por se tratar de processadores com arquitetura x86, a empresa informa que é possível executar Linux ou Windows ou qualquer outro sistema operacional preparado para computadores de menor desempenho.

A previsão é que mais informações sejam apresentadas em junho deste ano, incluindo especificações e preço. Parceiros da Intel como Dell, HP e Lenovo também apresentarão seus Compute Cards.

 

Fonte: arstechnica.com