Sistema de navegação por satélite da Europa está tudo pronto para lançar nesta quinta-feira.Batizado em homenagem ao astrônomo italiano Galileo, este sistema é feito para acabar com a dependência da Europa em soluções (Sistema Global Navigation Satellite) americano GPS (Global Positioning System) e russo GLONASS.

GPS é operado pelo Departamento de Defesa, o que significa que os EUA podem bloquear outros acessem os dados de GPS para ganhar alavancagem em um conflito armado. Por outro lado, sob controlo civil, Galileo promessas garantida serviço de posicionamento global para todos.

Constelação do Galileo é composto por 30 satélites. Destes, 24 estarão operacionais, enquanto os seis restantes se tornarão peças ativas. O sistema pode controlar posições com uma precisão de um metro. Tal precisão é um resultado dos relógios atómicos incrivelmente precisas que têm a taxa de erro de um segundo em três milhões de anos. Ele também tem que considerar o fato de que o relógio atômico do satélite carrapatos relativamente mais rápido do que o do observatório na Terra. Einstein estava certo, a gravidade desacelera os relógios.

O projeto, inicialmente orçado em 1,8 mil milhões de euros, acabou por beberrões de mais de 10 bilhões de euros do dinheiro dos contribuintes. Ele deveria ir ao vivo em 2008, mas devido a acidentes, incluindo o lançamento de dois satélites em órbitas erradas, o programa se arrasta há 17 anos. De acordo com Phys.org , os consumidores serão capazes de utilizar os serviços de graça, desde que os seus smartphones têm hardware compatível. A porta-voz da Comissão Europeia, Mirna Talko afirma que os fabricantes já estão a trabalhar nesse sentido.

Nesta quinta-feira, UE vai inaugurar este serviço com 18 satélites em órbita. Galileo deverá estar totalmente operacional até 2020. De acordo com a Qualcomm , telefones baseados no Snapdragon 820, 652, 650, 625, 617 e 435 processadores serão compatíveis com o Galileo após uma atualização de software.

 

Fonte: Phys.org | Imagens: ESA