Na última terça-feira (22), vimos uma nova tecnologia em desenvolvimento que promete fazer baterias que carregam em poucos segundos e duram semanas. No entanto, há outras formas de fazer a bateria de smartphones durarem mais, como unificar todos os meios de comunicação de dados em uma única antena de transmissão.

Esta é a ideia da universidade Aalto na Finlândia que vem buscando deixar de lado as antenas tradicionais que existem há meio século e introduzir novos componentes que integrem Wi-Fi, Bluetooth e GPS em um único sinal digital. Isso reduziria não apenas as medidas de futuros smartphones como também o consumo de bateria.

Tradicionalmente, uma antena funciona com uma ou com algumas frequências diferentes. Com a nova tecnologia seria possível aproveitar a avançada eletrônica digital e combinar vários pequenos elementos de antena para trabalharem juntos como uma antena só que pode ser feita para operar digitalmente com qualquer frequência.

A nova antena também torna possível alcançar a velocidade de transferência de dados definida como o objetivo para a próxima geração de telefones, que é de 100 a 1000 vezes mais rápida que a dos telefones atuais. Além disso, a vida da bateria será melhorada devido à maior eficiência do novo método.

Com antenas projetadas usando a tecnologia padrão, é possível obter uma ampla faixa de frequência ou alta eficiência, mas não ambas ao mesmo tempo. A eficiência da radiação das antenas tem caído nos últimos tempos porque a faixa de frequência usada pelos telefones celulares tem aumentado continuamente.

A fraca eficiência da radiação leva a uma faixa de transmissão curta, para a qual as operadoras de rede são então forçadas a compensar com uma rede mais densa de estações de base. A energia é desperdiçada tanto no telefone como na estação base. Além disso, aumentar a densidade da rede sai caro.

Ainda não há um prazo para estreia desta nova antena, mas os engenheiros da universidade Aalto acreditam que a novidade estará presente em smartphones da quinta geração com conectividade 5G. Desta forma, teremos uma navegação ainda mais rápida diante da maior largura de banda com um consumo de energia reduzido.

 

FONTE: http://www.aalto.fi/