USB tipo C, ou simplesmente USB-C, é um negócio que parece ótimo na teoria. Uma única porta para carregar, transferir dados, conectar monitores e muito mais, e tudo isso podendo ser reversível. Uau!

Três anos depois de seu lançamento, ela já está presente em muitos computadores e celulares, mas, na prática, a coisa não é tão simples assim. A seguir, falaremos o que você precisa saber sobre o USB-C em 2018.

O que é USB-C?

A ideia por trás do USB, de forma geral, é padronizar portas e conectores, garantindo que uma parte vai funcionar corretamente com a outra. Isso está até no nome do padrão: Universal Serial Bus — barramento serial universal, em tradução livre. O USB-C é a mais recente implementação desse conceito, e tem como objetivo tornar mais simples a vida de produtores e consumidores.

USB-C se refere, especificamente, ao tipo de conector na ponta de um cabo ou de porta acoplada na lateral de um laptop. É aquele plugzinho compacto que você pode colocar de qualquer dos dois lados. Ele não tem nada a ver com o padrão suportado por uma entrada ou por um cabo, dizendo respeito apenas à forma física da tecnologia e aos fios que podem ser usados.

Como dissemos, este conector, tecnicamente, é compatível com transferências de dados, carregamento de energia, saída de vídeo (também chamada de modo alternativo) e muito mais. Ele pode ser usado de maneira bidirecional, o que significa que a mesma porta pode carregar o notebook ou usar a bateria dele para carregar seu celular.

A disponibilidade desses recursos, porém, não depende apenas do USB-C, mas também do padrão USB dos seus aparelhos. O mais recente é o 3.2, mas nenhum hardware com ele foi lançado até o momento. Em outras palavras, a porta USB-C pode oferecer suporte a USB 2.0, USB 3.1 ou até mesmo Thunderbolt.

Estes padrões USB escondidos e os novos tipos de conectores como o USB-C são desenvolvidos pelo USB Implementers Forum (USB-IF). Novos plugs e tecnologias geralmente são anunciados ao mesmo tempo. Isso acaba confundindo muita gente, pois são coisas tecnicamente separadas. A versão do USB tem tanta importância quanto o formato e a configuração da porta. Todas essas informações são essenciais na hora de descobrir o que você pode fazer com seu computador ou celular.

Os padrões USB e USB-C atuais

A velocidade teórica de transferência de dados do USB 3.2 é de 20 Gbps. É um avanço considerável em relação aos 10 Gbps oferecidos pelo USB 3.1, mas dificilmente você vai alcançar essa taxa com os equipamentos vendidos por aí para consumidores comuns.

O resto não mudou muito — até por isso ele é 3.2 e não 4.1. Mesmo assim, produtos com essa tecnologia só devem chegar ao mercado em 2019.

O padrão USB-C não mudou desde sua apresentação. O que você não deve saber é que marcas e fabricantes escolhem como implementar a tecnologia e que recursos incluir. Um notebook, por exemplo, pode ter quatro portas USB-C, mas só uma servir para carregá-lo. Se formos pensar em dongles, então, a coisa fica ainda mais complicada.